Estrutura de Lazer

Veja tudo que o nosso Hotel tem a lhe oferecer

Merenda Pantaneira

Se você ouvir um toque de berrante, não se assuste… pois esta é a chamada para o início da Merenda Pantaneira.

Café da Manhã

Nossas diárias incluem um farto café da manhã, com mais de 60 itens.

Passeios em Bonito e Pantanal

Imagine você... em meio a isso.

Acesse nosso Canal no Youtube

Vídeos do Hotel, Bonito e Pantanal.

quarta-feira, novembro 30, 2016

Degradação de banhados de Bonito e Jardim prejudica turismo da região

Mau uso dos banhados afeta a biodiversidade da região e gera autuações a proprietários rurais.


A região da Serra da Bodoquena, em Mato Grosso do Sul, abriga dois importantes banhados para a manutenção da biodiversidade e turismo: do rio Formoso e do rio da Prata.

Com o objetivo de preservar as áreas úmidas, a Polícia Militar Ambiental intensificou as fiscalizações em propriedades rurais de Bonito e Jardim, e acabou encontrando diversas irregularidades que afetaram diretamente as cabeceiras dos rios, como a criação de canais de drenagem, desmatamento sem licenciamento, armazenamento irregular de embalagens de agrotóxicos e gado em áreas de preservação permanente.

Os autuados reclamam das autuações no tocante aos valores; entretanto, ninguém se mostra preocupado com a relevância de suas propriedades. Não creio que faltem informações aos proprietários. Falta compromisso, revela o tenente Diogo Ferreira, comandante das operações de fiscalizações da Polícia Militar Ambiental nos banhados de Bonito, em entrevista ao jornalista Fábio Pellegrini.

Para proteger as áreas úmidas e garantir qualidade de vida para as futuras gerações, a prefeitura de Bonito, por sugestão da Fundação Neotrópica do Brasil e do Conselho de Meio Ambiente do Município, apresentou propostas de criação de três Unidades de Conservação Municipal: do Parque Natural Municipal (PNM) da Guavira (60,90 ha); Refúgio de Vida Silvestre (RVS) do Banhado Rio Formoso (2275,41 ha) e Refúgio de Vida Silvestre Banhado do Rio da Prata (3273,43 ha).

A criação das Unidades de Conservação, entretanto, não agradou a todos. O Sindicato Rural de Bonito, órgão que representa os proprietários rurais, impetrou mandados de segurança para barrar a realização de consulta pública para discutir o tema e o impasse ainda não foi resolvido judicialmente.

Das três unidades, duas causaram conflito com o Sindicato, por estarem dentro de terras privadas: o Refúgio da Vida Silvestre do Banhado do Rio da Prata e o Refúgio da Vida Silvestre do Banhado do Rio Formoso.
Representantes do Sindicato alegaram não ser contra a criação das UCs, mas à forma como a prefeitura conduz o processo. A prefeitura, por sua vez, afirma que vem seguindo as diretrizes do Sistema Nacional de Unidades de Conservação.

A promotoria de Bonito está fazendo vistorias técnicas com uma equipe do Imasul, para propor Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) aos fazendeiros que foram flagrados pela fiscalização causando graves danos ambientais em suas propriedades no entorno do Banhado do Rio da Prata.

Quem olha de fora, pensa que é somente um capinzal. Parecem áreas monótonas, mas nessas áreas há mais de 500 espécies de vegetais e uma diversidade de vida animal associada às plantas: insetos, aves que fazem ninhos ou se alimentam ali, além de mamíferos de grande e pequeno portes, completa o botânico e professor da UFMS, Arnildo Pott.


Fonte: Bonito Notícias

domingo, novembro 27, 2016

Casa do Vidro em Bonito (MS) aposta em criação sustentável

Em Bonito, cortes diferenciados e jateamento personalizado dão todo acabamento a um produto sustentável e que esbanja utilidade

"Vidro não é lixo", esse é o principal conceito da Casa do Vidro, em Bonito. Seguindo a linha da sustentabilidade e da criatividade, a fábrica fundada em janeiro deste ano aposta na coleta e reutilização de materiais.


Localizada próxima à região central da cidade, além da produção diária, a fábrica funciona como um mostruário para encomendas. No depósito, empilhados por tipo e formato, há desde de garrafas de bebidas alcoólicas a frascos de perfume e remédios. Dali, são produzidas peças inusitadas como taças, copos, luminárias, alambiques, relógios e abajures.

Carlos Cardinal, dono da fábrica, conta que além dos vidros descartados trazidos pelos empreendimentos locais, os próprios turistas e moradores da região acabam levando seus materiais e ajudando no processo de criação do produto. "Não basta ter consciência. Tem muita gente que separa o lixo, mas não compra o material reutilizado", destacou.


Além da venda em lojas do Centro, os produtos da Casa do Vidro também estão presentes no dia-a-dia de atrativos turísticos e hotéis em Bonito.

A fábrica Casa de Vidro funciona diariamente das 8h às 11h e das 13h às 18h, na Rua Afonso Pena, 587.

quinta-feira, novembro 24, 2016

Roteiro de viagem para Bonito (MS): O guia completo


Viagens Cinematográficas dá dicas de passeios, restaurantes, hospedagens, entre outros
O blog de turismo Viagens Cinematográficas publicou uma guia rápido, com 5 dicas, para quem pretende conhecer Bonito.

Nosso amigo Fabio Pastorello citou o destino como um dos lugares mais bonitos do Brasil e ressaltou que a infraestrutura local é perfeita.

Entre os tópicos em destaque na publicação estão Por que Conhecer, Como chegar, Quando ir, Onde Ficar e O que fazer, O que esperar e Quanto tempo ficar em Bonito.

"Sabe aquele livro "1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer", da Patrícia Schultz? Pois é, os rios de Bonito estão entre os 1000 lugares que você precisa conhecer. Bonito não está só entre os lugares mais bonitos do Brasil, mas também do mundo", declarou o blogueiro.

Confira as dicas na íntegra clicando aqui.

segunda-feira, novembro 21, 2016

Udu Cerâmica Artesanal: a natureza do cerrado expressa através da cerâmica

Peças desenhadas por artistas inspirados na natureza regional, moldadas por artesãos locais com a técnica milenar da cerâmica de alta temperatura.







A fábrica-loja da “Udu –  Cerâmica Artesanal” está localizada na região central de Bonito (MS) e produz peças como canecas, pratos, vasos, móbiles, refratários e artigos de decoração.

 O diferencial do lugar fica por conta do ambiente bem decorado, grande acervo de produtos, peças resistentes e figuras que remetem à região de Mato Grosso do Sul.
A marca, escolhida devido à ave símbolo de Bonito, explora a imagem da fauna e flora da região como periquitos, peixes, araras e jacarés, com componentes naturais como argila e esmalte.
Aqui a natureza do Cerrado Brasileiro é expressa através da arte milenar da cerâmica. No atelier, as mãos habilidosas dos artesãos se encontram com minerais, água, ar e fogo para a elaboração de peças cuidadosamente pensadas para servir e encantar as pessoas.
Por mais que se busque a padronização, o trabalho é imprevisível e surpreendente e é esse o seu encanto e o que o difere do trabalho industrial. 
É preciso estar aberto às imperfeições de forma e de cor para enxergar a originalidade de cada uma das peças. Animais e flores do Cerrado somam vida aos outros elementos naturais presentes no trabalho, colorindo e enfeitando tudo o que a gente faz.
Gostou? Confira mais sobre este belo trabalho no site: www.uduceramica.com.br  

sexta-feira, novembro 18, 2016

Cavalgada Recanto do Peão: Um passeio rural dentro do meio urbano

Um passado sendo resgatado pelo Recanto do Peão! Cavalgue conosco e reviva esses momentos!

Para quem procura atividade de ecoturismo tranquila e com ares campestres, a cavalgada recanto do peão é a melhor opção em Bonito. 

O Percurso
Com 1 hora e 30 minutos de duração o passeio oferece aos seus visitantes uma encantadora experiência sobre a vida do homem no campo. Durante o percurso de aproximadamente 5 km é possível contemplar as belezas da fauna e flora típicas do cerrado Sul-mato-grossense e reviver a história das tradicionais comitivas pantaneiras.

Lanche
Após o término do percurso o visitante será servido de um lanche (sopa paraguaia, pipoca, bolo, chá e café), e poderá participar da roda de tereré ou descansar no redário. 

Almoço
Temos ainda a opção do almoço, sendo este feito em trempes, ou seja, como as comitivas boiadeiras fazem desde a antiguidade. O cardápio do almoço será arroz carreteiro, mandioca e ovo frito.

Crianças
Com relação as crianças que por algum motivo não possam fazer o passeio a cavalo, temos a opção de que elas fiquem no receptivo com a recreacionista, onde as crianças terão contato com pônei e participarão de brincadeiras como: amarelinha, corrida do saco, passa anel, ciranda cirandinha e laço no boizinho de madeira.

Realizado em grupos de até 10 pessoas com idade a partir de 05 anos, sempre acompanhadas de 02 monitores especializados, é o passeio ideal para toda a família.

Observações: 

* É obrigatório o uso de capacetes;
* Aconselhamos o uso de calçado fechado;
* Em época chuvosa o passeio será feito normalmente, porém com o uso de capa boiadeira.